domingo, 18 de junho de 2017

São planos ou expectativas?

Érima de Andrade

Sim, porque são diferentes.
Quando você traça um plano, você lista as providências, medidas e etapas que tem que percorrer para atingir um objetivo. 

É ótimo fazer planos, eles dão a direção para que seu objetivo seja alcançado. E tanto faz o objetivo que você escolheu, estudar, se conhecer, iniciar uma atividade, mudar o estilo de vida. Tendo claro onde quer chegar, e as etapas necessárias para que isso aconteça, mesmo que ocorram obstáculos, você chegará lá.

Expectativa é mais que um estado de quem espera por algo ou alguém. Embora possa ser usada nesse sentido também. Mas a expectativa que eu me refiro, tem uma tensão, uma ansiedade. É um desejo intenso por alguma coisa, uma espera baseada em probabilidades, pressupostos ou promessas de que algo aconteça. E aí, você deixa de ser o dono da ação, fica na expectativa.

E nesse ponto a história se complica. Você tem um sonho, claro que vai criar uma expectativa de vê-lo realizado. É ótimo quando você consegue ver como quer estar daqui a cinco anos e usa essa expectativa como entusiasmo para se planejar e correr atrás do seu objetivo.

Criar expectativa é muito bom quando a expectativa tem formato de fé, de acreditar em si mesmo, de esperança, de correr atrás do que deseja com amor e paciência, de entrar em sintonia com a vibração daquilo que você quer alcançar.

Acreditar em si mesmo, sintonizar com sua melhor parte para ultrapassar cada etapa com amor, respeito e paciência, pois a realização do seu objetivo pode não ser no tempo do seu desejo, esse é um bom caminho.

Um mau caminho é esperar que tudo aconteça exatamente como você planejou. É criar uma expectativa em forma de ansiedade, de querer que as coisas aconteçam do seu jeito e não aceitar de qualquer outra forma. De querer a perfeição e nada menos do que isso. Hum... problemas à vista se sua expectativa é essa.

Ninguém é perfeito. Todos temos insucessos, fracassos e fases de mediocridade. É um traço comum da nossa humanidade, somos imperfeitos.

A fórmula para o sucesso passa necessariamente pela aceitação da vida e do que ela traz a cada momento. Quanto mais brigamos com a realidade, menor é nossa capacidade de alterá-la.

Você será sempre o ponto de partida dos seus planos, por isso o autoconhecimento é tão importante. Para traçar planos possíveis de serem realizados, você precisa saber quem você é, quais as suas habilidades, quais suas limitações, o que você sente e pensa diante das situações fora da sua zona de conforto, porque elas vão acontecer.

Querer que as coisas aconteçam exatamente do seu jeito não é planejamento, é controle. Significa que você não reconhece que existe um momento certo para tudo, e que isto está além da sua possibilidade de determinação e controle.

E é essa tentativa de controle que torna a expectativa uma ansiedade tensa, um gasto energético sem tamanho, um sofrimento desnecessário.

Com determinação, de coração aberto, com bondade, respeito e a dignidade que lhe for possível, você estará pronto para abraçar com positividade as oportunidades que a vida oferece. Estará pronto para alcançar seus objetivos.

É importante deixar claro que você pode ser cuidadoso sem a tensão da preocupação e do medo. Sem dúvida, um pouco de preocupação, além de relevante, é saudável para todas as pessoas. Aliás, todos os sentimentos na dose certa e no momento oportuno são bons. O problema acontece quando exageramos e perdemos completamente o equilíbrio, e com ele a capacidade de tomar decisões pertinentes.

Sonhar é bom, mas é preciso ancorar a consciência no presente. É preciso contemplar o que a vida nos traz e como estamos respondendo a ela. Feridas do passado, ou antecipação do futuro, não são boas conselheiras para tomadas de decisão no agora.

Lembre-se, nada é positivo ou negativo por si mesmo, nem a expectativa. O que você faz com o que lhe acontece é que torna algo positivo ou negativo.

“Eu prefiro acreditar, ter fé, sonhar, imaginar e correr atrás daquilo que eu quero com a expectativa de que vou realizar do que viver me protegendo da possibilidade de ficar frustrada e nunca buscar nada, nem sonhar. Eu prefiro me jogar no presente e ao mesmo tempo me permitir o prazer de sonhar e acreditar no amanhã do que reprimir os meus desejos e vontades por medo de uma possível decepção. De uma forma ou de outra estamos imaginando o futuro, sem a menor certeza do que virá. Já que é pra imaginar o futuro, que seja de forma gostosa, positiva e do jeito que a gente quer!Stephanie Gomes

domingo, 11 de junho de 2017

Tempo externo, tempo interno, tempo pessoal

Érima de Andrade

Tempo é o assunto da semana. De fato,
cada um tem um tempo de digerir acontecimentos, emoções, mudanças. E está tudo bem. É o tempo que você precisa e ele é pessoal, ponto.

Estou chamando de tempo pessoal o tempo necessário para cair a ficha, para entender o que está acontecendo, para reconhecer seus sentimentos, para que as informações ouvidas façam sentido, para que você possa digerir tudo o que está vivendo.
Seu tempo pessoal. Mesmo que muitos vivam situações similares, cada pessoa terá seu próprio tempo de processamento do seu momento de vida, terá seu próprio tempo pessoal.

O tempo pode ser objetivo e subjetivo. Nós, humanos, observamos os ciclos da natureza, amanhecer e anoitecer, as estações, as gestações, o desenvolvimento, o envelhecimento, e
criamos maneiras de mensurar essa passagem de tempo, de medir esses movimentos da vida.

Chamamos essa mensuração de tempo objetivo, ou tempo externo, aquele que pode ser marcado e medido. É o tempo do mundo, da natureza, das árvores, dos compromissos, relógios e calendários.
É um tempo público e verificável. Pode ser medido e todos concordarão com essa medição.

O tempo subjetivo, ou interno, é o
tempo de amadurecimento, tempo necessário para compreender, assimilar, aprender, se organizar, e as vezes, se conformar. É tempo das experiências mentais, dos eventos da consciência, e envolve percepções, imaginação, recordações.

Tempo subjetivo é o tempo interno, privado e variável.
É o tempo que você estima para um determinado evento ou intervalo. É algo baseado na sua interpretação individual, e pode não ser válido para todos.

O tempo objetivo nos permite situar um evento, marcar um horário para uma consulta, agendar um encontro,
atuar no mundo externo. Mas é no tempo subjetivo que vamos vivenciar e conhecer a relação entre esses acontecimentos e o que se passa em nosso mundo interior.

Os nossos sentidos, e a nossa tradição cultural, introjetaram a
noção de tempo como um fluxo continuo seguindo em uma única direção, do passado ao futuro, do antes ao depois. Mas internamente não é assim que funciona. Não é linear e exato como o de um relógio.

O tempo interno tem sequências. Os eventos seguem ou antecedem um ao outro, mas
não é possível cronometra-los. Não tem como medir o tempo interno pelo tempo do mundo.

É bem comum que o tempo que passa no relógio não seja o mesmo que passa dentro da você. E também é comum não seguir um calendário ao recordar eventos marcantes e significativos.
Memórias e sentimentos são subjetivos, nosso tempo interno também é.

O tempo objetivo é o tempo do relógio, onde 1 hora será sempre 60 minutos e 1 minuto é sempre 60 segundos. Mas no tempo interno, que é seu, individual e intransferível, seus sentimentos marcam um tempo totalmente subjetivo. Cada minuto pode não ser mais de 60 segundos, pode parecer 10 segundos ou 10 horas, depende do que você estiver vivendo.

De modo geral, sentimos que o tempo acelera em situações prazerosas, e quase para em situações desagradáveis. E dependendo do que você viveu, na sua memória os fatos podem estar totalmente fora da ordem cronológica.

Seu tempo pessoal é mais que o tempo interno ou subjetivo. É o tempo de construção da sua identidade, um tempo para ressoar dentro tudo o que viveu. É o tempo de 
construção da pessoa que você se tornou com tudo que aprendeu, ou com tudo que a sua alma relembrou. O tempo pessoal a gente cria, e num espaço de tempo tão curto quanto um segundo, você pode escolher mudar tudo.

Você pode estar consciente dos tempos interno e externo ao mesmo tempo. Mas o importante é você saber que, além do tempo do relógio, você precisa de um tempo pessoal para se reorganizar após experiências e aprendizados. Pode ser que, nesse momento, para você, o relógio ande rápido, e seus sentimentos, pensamentos e comportamentos precisem de mais tempo para se manifestar.

Respeite essa percepção de estar vivendo em dois tempos diferentes. Respeite seus ritmos interno e de vida. Respeite seu tempo e o tempo de cada um.

Mudanças, por escolha, ou por imposição da vida, exigem tempo para pôr ordem no corpo e nas emoções, para reaprender a viver e conviver nessa nova realidade.
Não existe um padrão comum de comportamento após uma mudança. Cada um tem seu tempo de desconstruir o antes para construir o agora. O tempo desse processo é pessoal, individual e relativo.

Para você pode ser rápido, mesmo que para os de fora, pareça que demorou. É o seu tempo, o tempo necessário para que você acomode dentro as histórias vividas antes, durante e depois de cada virada que a vida dá. Respeite-se e respeite. O tempo pessoal é isso mesmo, pessoal e único. É pessoal e interno, mas nem por isso você precisa estar sozinho.

Se você precisar expressar emoções e sentimentos provocados por mudanças, e não sabe como, busque ajuda. Amigos podem lhe ouvir, e um profissional pode ajudar a mudar a perspectiva dos fatos, permitindo uma ressignificação do ocorrido, abrindo espaço para a compreensão, aceitação e, quem sabe, para a confiança, o perdão e a gratidão pelo aprendizado.

Ressignificar pode curar um pouco mais o que ainda lhe dói, pode ajudar a aceitar a vida e o que ela traz a cada momento, pode abrir um espaço em você para que o seu melhor se manifeste.

Ressignificar não muda o que aconteceu. Muda sua maneira de lidar com o que aconteceu. No seu tempo, no seu ritmo, dentro da sua possibilidade. 

                                                                                                                                                                                                             

domingo, 4 de junho de 2017

Troque intolerância por respeito.

Érima de Andrade

Esse é o caminho de bem conviver
, respeito pelo outro. Pelo que o outro é, pelo que o outro acredita, pelo que o outro escolhe.

Respeito é a atitude de aceitar as diferenças entre as pessoas.
Com respeito é possível conviver sem conflitos com todos os seus contatos, mesmo aqueles que não foram uma escolha sua.

Respeito é a melhor maneira de demonstrar que você aceita o direito do outro de ser quem escolheu ser, aceita a sua individualidade, aceita sua totalidade como a pessoa que é, e não como você gostaria que ela fosse.

Respeito significa aceitar o outro mesmo quando não concorda com suas escolhas, decisões, opiniões ou comportamentos. E se for o caso, você sempre pode, respeitosamente, expressar sua opinião, mostrando o seu ponto de vista diferente.

Em qualquer fase da sua vida, você pode escolher se educar para respeitar diferenças. Repito, você pode se educar para ter respeito em qualquer fase que esteja na vida.

Se não sabe como, comece considerando que a sua maneira de ser é apenas uma possibilidade entre muitas outras. Porque é só isso, uma entre muitas possibilidades.

É muito difícil respeitar quando você supõe que a sua postura é a única possível, quando tem certeza absoluta que sua verdade é única, 
quando você quer ter razão a qualquer custo.

Então faça esse exercício, se pergunte: o outro está mesmo errado ou apenas é diferente da minha maneira de ser, agir, pensar, sentir? Ao se abrir para a descoberta de outras maneiras de estar no mundo, você contribui para aumentar o respeito num momento que ele tem nos feito tanta falta.

Para essa postagem separei 3 títulos de matérias jornalísticas que me assustaram e acenderam em mim um alerta do tipo "precisamos falar disso". Muito!

E como, ainda bem, já tem bastante gente falando a respeito, separei junto um cordel maravilhoso do Bráulio Bessa que ajuda a pensar sobre intolerância.


Estudo mostra raio-x da intolerância nas redes sociais do Brasil
- Expressões como cabelo ruim, gordo, vagabundo, retardado mental, boiola, malcomida, golpista, velho e nega predominam nas palavras encontradas

Boicote a “Mulher-Maravilha” – Líbano bane exibição de “Mulher-Maravilha” em função da protagonista Gal Gadot, que é israelense. 

Intolerância contra professores - Saiba por que educadores sofrem censura de pais e alunos.

Bráulio Bessa faz cordel sobre intolerância – Programa Encontro com Fátima Bernardes




"Será mesmo que o respeito
anda mesmo em desuso?
Pra mim soa tão confuso
Essa tal necessidade 
de alguém que é diferente
enfrentar um mar de gente
lutando por igualdade.

E talvez essa igualdade
Essa tal pluralidade
seja a mais pura vontade
de viver a liberdade.

De ser só o que se é.
De ser homem, ser mulher. 
de ser quem você quiser. 
de ser alguém de verdade.

Seja transparente! 
Seja simplesmente gente.
Mesmo que alguém lhe julgue diferente!
Mesmo que você mesmo se julgue diferente!
Eu reforço: Seja gente! Urgente! 

Há quem nasceu pra julgar.
Há quem nasceu pra amar.
e é tão simples entender em qual lado a gente está.

E o lado certo é amar.
Amar para respeitar!
Amar para tolerar!
Amar pra compreender
que ninguém tem o dever
de ser igual a você.

O amor é a própria cura
remédio pra qualquer mal
cura o amado e quem ama
o diferente e o igual
talvez seja essa a verdade:
É pela anormalidade
que todo amor é normal.

A minha simples poesia
tem o poder de alertar:
Se você quiser respeito
aprenda a respeitar
Seja mais inteligente
pois pra alguém diferente
o diferente é você 
ninguém no mundo é igual
normal é ser anormal
Não é difícil entender.

Entender que nós estamos
percorrendo a mesma estrada
pretos, brancos, coloridos 
em uma só caminhada 
não carece divisão 
por raça, religião 
nem por sotaque, Oxente.
seja homem ou mulher
você só é o que é
por também ser diferente.

Seja menos preconceito! 
Seja mais amor no peito!
Seja amor, seja muito amor
E se mesmo assim for difícil ser
não precisa ser perfeito
se não der pra ser amor
seja pelo menos RESPEITO!" Bráulio Bessa

Respeito, use sem moderação.

sábado, 27 de maio de 2017

Por Tantas Bençãos, Gratidão.

Érima de Andrade

Hoje só quero agradecer.

Agradecer que você tenha sido
meu Pai nessa vida.

Agradecer por sempre cuidar de mim.

Agradecer tanto
amor que recebemos juntos, compartilhamos  e distribuímos. 

Agradecer por tanto
carinho recebido por todos que cuidaram de você ao longo de toda sua vida.

Agradecer pelos
momentos incríveis de almoços em família, quando de repente, você se perdia com tanta gente falando ao mesmo tempo.

Agradecer por
rirmos tanto de piadas sem graça.

Agradecer pelas
viagens maravilhosas.

Agradecer por tantos
ensinamentos.

Agradecer por centenas, milhares, de
lembranças felizes com você e com todos nós.

Agradecer por você
ficar tão feliz de ouvir passarinhos, pois pudemos gravar alguns para que você ouvisse durante nossas visitas. E era bom! Você sorria, relaxava e até cantava junto.

Agradecer que tenhamos sido
tão parecidos, que eu seja tão a sua cara, que tenha tanto o seu jeito.

Obrigada mesmo por esta
semelhança. Era tão fácil lhe entender... bastava olhar e reconhecia em mim o que você estava sentindo.

Para saber o que você pensava eu demorava um pouco mais. Bem pouco, mas não era imediato.
Obrigada por isso também Pai.

Te amo muito meu Pai, e como repeti tantas vezes no seu ouvido,
meu amor vai com você onde você for.

Esteja bem. É só uma despedida temporária. 






Confie meu Pai, Ediemir Roberto de Andrade. Você está amparado por muito amor, daqui e daí. E o amor nos reunirá.

domingo, 21 de maio de 2017

Prece do Amor

Érima de Andrade

Comigo aconteceu assim, eu fazia yoga, e lá surgiu a ideia de um grupo. Soubemos de uma creche comunitária que tinha muitas dificuldades.
Quisemos ajudar.

Lá mesmo no espaço da aula, passamos a doar nosso tempo, e habilidades, para atender as quartas-feiras de manhã, quem precisasse. Muitas opções de cuidados afetivos e efetivos, pois éramos um grupo de várias pessoas com boa vontade. Oferecíamos, entre outras coisas, massagem nos pés, Reiki, cromoterapia, escuta terapêutica e tudo que pudesse resultar em bem-estar a quem recebia.

Quem era atendido oferecia um item da lista de necessidades da creche, e tudo que era arrecadado, ia direto para lá. Uma relação onde todo mundo ganhava. Uma corrente de ajuda que se mostrou muito efetiva, sem sobrecarregar ninguém.

Sempre fazíamos um momento de oração, ou meditação, para nos harmonizarmos antes de receber as pessoas. Com o tempo, as pessoas que não podiam ir as quartas de manhã, começaram a colocar seus nomes para que a oração as beneficiasse também. E assim eu aprendi, que sempre posso fazer uma oração, ou um pensamento bom, quando não posso ajudar de outra maneira.

Mais tarde aprendi que mesmo quando posso ajudar mais concretamente, a prece torna a ajuda mais efetiva, agrega benefícios, e então não parei mais de rezar.

A creche foi “adotada” pela prefeitura, não precisa mais das nossas doações. Mas a roda de meditação e orações em benefícios de todos os seres, continua acontecendo as quartas de manhã. Mesmo quando não consigo ir, me sinto lá. Acho linda essa oferta.

A lição mais marcante dessa experiência foi descobrir o poder de uma boa intenção direcionada. Sigo até hoje fazendo um momento de silêncio e vibrando positivo para todo ser que me pede, ou que sei que está vivendo um momento complicado.

Não tenho o poder de saber o que é melhor para quem recebe. Em vez de vibrar que isso ou aquilo aconteça, peço para que o melhor para ele se manifeste. Em todas as situações, seja superar obstáculos, receber bênçãos, recuperar saúde, encontrar soluções, obter clareza em relação às decisões que devem ser tomadas, peço que o melhor se manifeste.

Ainda que você não tenha certeza que rezar vai ajudar, você também pode rezar pedindo ajuda para que o melhor se manifeste. Pode rezar para Deus, para seres iluminados, guardiões, protetores, o que fizer mais sentido para você. Acredite, em algum nível essa energia envolve e faz diferença para você e para quem você quer beneficiar.

Pelo menos você pode se abrir para essa possibilidade. Eu sei que funciona. Já senti em mim esse poder da oração.

Se ao ler isso, você quiser praticar essa oferta de boas vibrações, e não souber como, é simples, faça do seu jeito. Como for mais confortável para você.

Na minha experiência, um momento de silêncio interno ajuda a focar na energia que quero emanar para mim, ou para um ser querido. Rezar para si mesmo ou pelo benefício dos outros tem o mesmo poder. Sinta-se livre para escolher a cada momento, para onde irá sua intenção.

Se você for uma pessoa musical, você pode visualizar, imaginar, a pessoa que você deseja beneficiar envolvida numa canção.

Se lhe faltam palavras para uma prece, ou nenhuma música transmite o que você deseja no momento, envolva a pessoa em luz. Se quiser colocar uma cor nessa luz, fique à vontade. O que importa é sua intenção de envolver alguém numa energia boa, mesmo que a distância.

Se for mais fácil para você nomear o sentimento que quer transmitir, tudo bem também. Pense amor, por exemplo, e intencione que o amor chegue nesse alguém.

Se não quiser colocar um foco em ninguém específico, também é ótimo. Após respirar e se colocar internamente silencioso, deseje que o amor e a luz envolvam todos os seres, e que todos os seres, em todos os mundos, sejam felizes.

Claro, é apenas uma sugestão. Use a vibração/intenção que lhe parecer melhor.

Uma amiga muito querida, me apresentou essa prece do amor
. Ela é uma pessoa musical, então a prece cantada a conecta melhor. Canta direcionada a alguém, encarnado ou não, e canta também para ela mesma se harmonizar. Nesses momentos, sente que se conecta com sua melhor parte e que seu amor alcança os seus queridos. E é sempre bom.

Quem sabe essa prece não é tudo que você precisa nesse momento?

Prece do Amor

“Como estiveres agora, nosso bom Deus te guarde.
Como estiveres pensando, nosso bom Deus te use.
Onde te encontres na vida, que Deus te ilumine.
Com quem estejas seguindo, nosso senhor te guie.
No que fizeres tu, peço ao bom Deus que possa te amparar,
Em cada passo teu a mão de Deus virá te abençoar.” Chico Xavier – Emmanuel


Se preferir, ore cantando.

                        

Que você seja feliz. Que você encontre a paz. Que haja luz e amor em sua vida. Que você possa sempre agradecer.

domingo, 14 de maio de 2017

Falemos de Meditação

Érima de Andrade

Sábado, dia 6 de maio, dei uma palestra falando sobre os quatro aspectos e a importância de manter e nutrir as quatro saúdes, física, emocional, intelectual e espiritual.

Já falei dos quatro aspectos em muitos textos aqui do blog, mas caso você se interesse, este texto
aqui foi a base da palestra de sábado.

Quando abri para perguntas, elas foram sobre meditação. Ao fim da palestra, as pessoas que vierem falar comigo, também queriam saber mais sobre meditação.
Então falemos sobre isso.

Meditar é muito simples, e justamente por isso não é fácil.
E não é por conta da meditação em si que não é fácil, é que tendemos a negligenciar tudo que é simples. Nos é mais fácil ter disciplina e atenção para melhorar uma série de ginástica olímpica, do que sentar em silêncio e respirar consciente.

Surpreso? Pois é,
a meditação é só isso, ter disciplina para separar um momento para sentar, e em silêncio, respirar consciente, trazendo seus quatro aspectos para o momento presente.

Na palestra eu falei da meditação como uma maneira de abrir espaço para o seu aspecto espiritual, a sua sabedoria interna, a sua verdadeira essência, e permitir que essa luz permeie todos os seus outros aspectos.

Ao meditar você adquire a clareza que vem da sua luz, e pode organizar, e escolher, os pensamentos que lhe interessam para o momento que está vivendo. Ao mesmo tempo, com clareza, pode eliminar aqueles pensamentos que não servem mais aos seus propósitos.

Esses momentos de silêncio ajudam a lhe colocar presente no que você for fazer, pois a respiração consciente sempre nos coloca no momento presente. Não tem como fazer depósito da respiração. Não dá para guardar para respirar depois. A respiração sempre acontece no momento presente, estando você consciente disso ou não.

Estar no momento presente, é se tornar consciente de tudo que está acontecendo no aqui e agora, interna e externamente. Externamente aguçando seus sentidos, internamente consciente das atividades da sua mente. O exercício de estar no aqui e agora, vai lhe ajudar a tomar decisões com muito mais clareza e objetividade.

Gosto da maneira que Thich Nhat Hanh nos ensina: “A vida é assim. Se não estivermos inteiramente no momento presente, olharemos em nossa volta e ele terá passado. Teremos deixado de sentir o contato, o aroma, o requinte e a beleza da vida. Esta parecerá estar nos deixando para trás.

O passado terminou. Devemos aprender com ele e deixá-lo ir. O futuro ainda não chegou. Devemos fazer planos, mas não perder tempo nos preocupando com ele. De nada vale nos preocupar. Quando pararmos de ruminar a respeito do que já aconteceu, quando pararmos de nos preocupar com o que talvez nunca aconteça, então estaremos vivendo o presente e começaremos a sentir a alegria de viver.”


E não precisa muito para começar a prática de viver no momento presente e experimentar a alegria de viver, pode começar com apenas 1 minuto por dia. 1 minuto por dia faz muita diferença. Pode parecer pouco, mas ansiosos vão abrir os olhos várias vezes durante esse 1 minuto. E tudo bem, com a prática tudo fica mais fácil, até para os ansiosos

Você pode ver aqui um vídeo ótimo sobre como meditar em um momento. 

Meditar pode ser bem simples e fácil, se você não criar expectativas de nenhum resultado, se não ficar esperando nenhuma experiência excepcional, além de estar inteiro no presente. Pensamentos e sentimentos podem estar no passado ou no futuro, e por conta disso, você pode estar com o corpo sentado na sua mesa de trabalho e a cabeça e o coração bem longe dali. Mas se focar na respiração, você vem para o agora. Qualquer prática que você faça que torne consciente a sua respiração, vai lhe colocar no momento presente, centrado, vivendo o agora.

Focar pode ser pensar “eu estou inspirando”, e inspirar, e “eu estou expirando”, e expirar. Ou pode ser inspirar em silêncio, e expirar dizendo "deixe ir". Use as frases enquanto sentir que lhe ajudam. Aos poucos, sentar e respirar conscientemente por 1 minuto, será apenas respirar e se sentir inteiro.

Faça o exercício apenas com a intenção de estar presente no momento presente. Faça sabendo que começar apenas com 1 minuto por dia tem o poder de abrir espaço para o contato com seu aspecto espiritual, sua essência, sua sabedoria interna, sua melhor parte. Faça abrindo-se para esse contato.

Sri Prem Baba ensina que um instante de silêncio interno é suficiente para mudar completamente a sua mente e, consequentemente, para mudar a sua energia, a sua química corporal, as suas emoções e estado de ânimo. Em outras palavras, um instante de silêncio é suficiente para mudar a sua realidade. Por isso eu rezo para que você descubra esse grande poder que é o silêncio; para que possa experiência-lo e fazer uso dele.”

Também rezo para que essa prática lhe ajude a se tornar a melhor versão de si mesmo. Se mesmo lendo tudo isso, você ainda não tiver a mínima ideia de como começar, Regina Restelli, que entre outras coisas, é facilitadora de meditação, explica:

“Sente-se confortavelmente com as costas eretas e a respiração livre. Decida usar a sua mente para observar como está seu corpo neste momento. Sinta-se dos pés à cabeça. Dê mais atenção ao ar que entra e sai pelas narinas, permitindo que ele ocupe inclusive o seu diafragma. Ar para dentro, barriga para fora e ar para fora, barriga para dentro. Foco absoluto em você neste minuto. Assim que acabar, perceba como está se sentindo e siga com sua vida. Esqueça todas as dificuldades e conquistas provenientes desta prática, pois cada momento é diferente do outro, nunca se repetem. Em um dia pela manhã pode ser fácil meditar, ao tempo que mais tarde, no mesmo dia, você pode ter mais dificuldade. Mas o que importa é a sua intenção de fazer um minuto apenas de silêncio em direção a sua presença.”




Que você possa se beneficiar com essa prática.

domingo, 7 de maio de 2017

Singularidade

Érima de Andrade

O que nos faz especial é o que temos de singular. As diferenças nos tornam singulares.
Todos temos algo a compartilhar que é totalmente diferente dos demais seres humanos. E isso é bom. Somos uma soma singular de vivências que nos torna únicos.

Reconheça isso em você.
Uma vez reconhecido em você, você estará pronto para reconhecer a singularidade do outro, e respeitá-lo por isso.

Admire nos outros o que faz deles únicos, admire essa diferença. Busque esse olhar especial, ver o que torna a pessoa ser quem ela é e que mais ninguém consegue ser igual.

Veja as qualidades especiais das pessoas com positividade, sem julgamentos. Somos diferentes, e isso não significa que um de nós está errado.

Se você percebe as qualidades de alguém, e as reconhece, isso serve de incentivo para essa pessoa desabrochar na sua singularidade. Mais que isso, ao reconhecer que todos somos diferentes você se permite ser quem você é, sem censuras, sem barreiras, sem tabus.

Esperar que qualquer outro seja como você, sinta o que você sente, pense exatamente como pensa, é uma fantasia que limita a possibilidade de ver, de fato, quem é o outro, e aprender e trocar com ele.

Mesmo sendo singulares, temos semelhantes. É muito bom pertencer, estar em casa, e entre semelhantes isso é possível. Reconheça também os seus semelhantes. Semelhantes são aqueles que sentem, pensam, e agem similar a você. Aqueles que acreditam nas mesmas coisas, que têm os mesmos interesses. A sensação de pertencimento, tão cara aos seres humanos, você só vai conseguir se reconhecer seus semelhantes.

Ser semelhante não significa ser igual. E ser diferente não significa que um de nós está errado. Nós temos defeitos e qualidades, e podemos sempre melhorar. É a nossa singularidade que nos torna pessoas especiais e não a tal da perfeição.

Ninguém é perfeito, todos temos insucessos, fracassos e fases de mediocridade. É um traço comum da nossa humanidade, somos imperfeitos. Nossa perfeição está em sermos imperfeitos.

A aceitação da nossa imperfeição é o primeiro passo para qualquer mudança. É preciso coragem para reconhecer nossas imperfeições, mas só reconhecendo é possível descobrir onde podemos melhorar e crescer. Sem esse reconhecimento, não há mudança. E muitas vezes, a mudança que você não faz, a vida lhe obriga a fazer. É uma escolha.

O que faz diferença entre as pessoas, aquilo que as faz construir um destino diferente, é a direção das suas crenças, a diferente qualidade do objetivo que cada um se propõe a alcançar, e não o local que nasceu ou a escola que estudou. Suas crenças e seus objetivos fazem de você quem você é, e ajudam a lhe tornar quem você quer ser.

À medida que você toma consciência da sua singularidade e do quanto você é especial, você passa a dar valor ao que você pode alcançar e ao que você já conquistou, a valorizar o que você tem, ao invés de ficar desejando o que no momento você não se pode ter.

Em qualquer adversidade, e elas vão acontecer, pois não temos controle sobre todas as alternativas possíveis, temos sempre duas escolhas: ficar se lamentando pelos cantos ou reagir, compreendendo a perda/dificuldade/insucesso/fracasso como um processo necessário de aprendizado.

A essa reação chamamos de resiliência, ou seja, a capacidade de se recuperar das frustrações, de lidar com problemas, superar obstáculos ou resistir à pressão das situações adversas, dos eventos, fatos e circunstâncias que não podemos controlar. Precisamos compreender humildemente que não podemos tudo e que mesmo as pessoas mais positivas passam por duros golpes. Não acontece só com você.

Fazer sempre o melhor possível, é o que está ao seu alcance. Em qualquer situação, ofereça o seu melhor ao outro, ofereça o que lhe torna original e deixe que o exercício do seu melhor lhe revigore e lhe fortaleça para seguir nos caminhos que escolher.

Então aproveite, somos todos singulares e muito semelhantes, humanamente originais e a procura do nosso grupo. Reconheça-se nos outros, agradeça as diferenças, celebre a diversidade, viva a sua vida no que ela tem de mais original e seja feliz sendo quem você é.

"Nunca existiu uma pessoa como você antes, não existe ninguém
neste mundo como você agora e nem nunca existirá.
Veja só o respeito que a vida tem por você.
Você é uma obra de arte — impossível de repetir,
incomparável, absolutamente única." Osho

domingo, 30 de abril de 2017

Assim não serve

Érima de Andrade

"Assim não serve" é o mantra mais comum na vida das pessoas que escolhem ter razão em vez de ser feliz.
Embora desejem a felicidade, na prática, entre ser feliz e ter razão, escolhem ter razão.

E ter razão aqui significa que: as coisas têm que acontecer da maneira que eu planejei. Provavelmente porque eu tenho certeza que esse é o melhor caminho. Inclusive tenho certeza que a minha opinião é o ponto final em qualquer conversa.

Pois é, tem muita gente assim.

Amo as piadinhas que as crianças contam. Uma delas serve para ilustrar o caminho que desejo no post de hoje.

Contam que houve uma enchente numa cidade pequena, e que o padre para sobreviver, subiu numa árvore. Como era uma pessoa de muita fé, rezou pedindo ajuda a Deus, e teve certeza que seria atendido.

Um grupo de moradores vendo o padre ali em cima, e a impossibilidade dele atravessar a correnteza que se formou, ofereceu uma corda para ajudá-lo a atravessar. O padre agradeceu e recusou, disse que Deus o salvaria.

Um bombeiro voluntário passou com um barquinho a motor e ofereceu carona ao padre, que, de novo, agradeceu e recusou. Deus o salvaria.

Um helicóptero jogou uma escada que o padre não quis pegar. De novo, agradeceu, recusou e informou que Deus o salvaria.


A noite chegou, o rio não baixou, o padre dormiu, se desequilibrou, caiu, morreu afogado. Chegou no céu reclamando com Deus: Trabalhei tanto em Seu nome, por que não me salvou?
- Filho, por três vezes mandei ajuda. Recusaste.

Então... escolheu ter razão. Escolheu esperar ser salvo da maneira que planejou. Quantas vezes fazemos o mesmo? Quantas vezes recusamos algo bom na vida apenas por não estar de acordo com a nossa fantasia?

Na terapia ocupacional temos o cuidado de observar bem como o paciente reage ao tratamento, e vamos mudando os caminhos de acordo com essa reação. Os objetivos do tratamento continuam os mesmos, mas as atividades planejadas para chegar lá, podem mudar muitas vezes. E isso é bom.

Quando dou palestras sempre cito o exemplo de um paciente que tive quando ainda fazia estágio. Ele tinha uma lesão alta na coluna, paralisado do pescoço para baixo, mas com alguma mobilidade no braço esquerdo. Era destro. Um empresário e fazendeiro com muitos negócios.

Chegou com uma acompanhante que explicou que ele precisava aprender logo a assinar com a mão esquerda, pois os negócios dele estavam parados. Para você que não viveu sem internet, e só conhece as facilidades de acesso com cartões, computadores e digitais, informo que, na época, era um pedido bastante razoável e coerente, pois para tudo, desde pagar conta a descontar dinheiro, ele precisava assinar.

Quando fiquei sozinha com o paciente, perguntei o que ele queria aprender primeiro? “Quero aprender a coçar o nariz. É muito constrangedor ter que pedir a alguém que coce meu nariz.” Pedido feito, pedido aceito.

No fim da sessão, a acompanhante ficou contrariada quando soube que nem chegamos perto da caneta. Mas precisou engolir a contrariedade quando percebeu o quanto ele estava feliz com o progresso que obteve.

Para quem tinha certeza que sabia o que era melhor, ela foi bastante flexível, é bom que se diga. E é esse mesmo o caminho, flexibilidade.

Fazer planos, criar metas, ter objetivos é maravilhoso. Mas é preciso sempre se manter flexível, pois mudanças podem acontecer.

É um desafio, eu sei, se manter flexível com imprevistos que aparecem. Não saiu como o planejado? Tudo bem, vou me permitir olhar os desdobramentos que se apresentaram. Isso é a flexibilidade atuando, e é a flexibilidade que vai lhe permitir ver mais de um caminho para a sua meta.

Aceitando os imprevistos que acontecem, você tem a possibilidade de um olhar amplo sobre os caminhos que se abriram no momento. Aceitando, você se permite trilhar mundos novos dentro das suas escolhas.

Com flexibilidade e consciência, você pode olhar sua frustração e constatar: “olha eu de novo querendo ser o dono do mundo...” E relaxar no que lhe acontece.

Você sabe perfeitamente onde quer chegar. Mas desenvolva flexibilidade suficiente para adaptar seus planos quando isso for necessário. Mudar a partir do que lhe acontece, significa seguir o fluxo. Nem sempre é fácil, pois seguir o fluxo significa abrir mão do controle de tudo e todos.

Seguir o fluxo significa que estamos agindo sem esforço, com tranquilidade, aceitando suavemente tudo o que nos acontece. Seguir o fluxo confirma a sabedoria, e a percepção, de que não temos controle sobre a vida.

Não seguir o fluxo, ou navegar contracorrente, significa ter uma vida cheia de apreensões, tensões, expectativas e frustrações. Significa não reconhecer que existe um momento certo para cada coisa acontecer, e que isto está além da nossa possibilidade de determinação e controle.

Seguir o fluxo é basicamente não lutar contra a realidade. Fazemos planos, criamos expectativas e metas para tudo na vida. Mas as coisas podem acontecer diferente do que planejávamos. É ruim, eu sei. Mas ficar preso nisso, se lamentando, repetindo “assim não serve”, não vai levar a lugar nenhum.

Respire, fortaleça seus talentos, pacifique seu coração, restaure seu equilíbrio perdido com os imprevistos, e permita os inusitados desdobramentos que se apresentarem na sua vida. Vá tranquilo seguindo o fluxo a caminho da sua meta.

"Encontrar o equilíbrio significa: dê o seu melhor para ajudar a si mesmo, para melhorar a sua vida, para melhorar a vida dos outros, para ajudar a sociedade, para ajudar o mundo. Porém, ao mesmo tempo, não deixe sua mente muito fixada no resultado. Em alguns dias você consegue, em outros dias não." Mingyur Rinpoche

domingo, 23 de abril de 2017

Vale Refletir a Respeito

Érima de Andrade

Quem é responsável por suas escolhas? Essa é uma boa história para pensar sobre as escolhas que fazemos e suas consequências. Boa leitura!

“1. Houve um Mestre que veio à Terra, nascido na terra santa de Indiana, criado nos montes místicos depois de Fort Wayne.

2. O Mestre aprendeu sobre este mundo nas escolas públicas de Indiana e, ao crescer, em seu ofício de mecânico de automóveis.

3. Mas o Mestre conhecia outras terras e outras escolas, de outras vidas que tinha vivido. Lembrava-se disso, e, lembrando-se, tornou-se sábio e forte, de modo que outros viram a sua força e o procuraram, em busca de conselhos.

4. O Mestre acreditava que tinha o poder de ajudar a si mesmo e a toda a humanidade, e, acreditando, assim era para ele, de modo que viram seu poder e o procuraram para se curar de seus problemas e doenças.

5. O Mestre acreditava que todo homem deve considerar-se filho de Deus, e, acreditando, assim era, e as oficinas e garagens em que trabalhava se apinhavam com aqueles que procuravam a sua sabedoria e o contato com ele, e as ruas de fora ficavam cheias daqueles que desejavam apenas que a sombra de sua passagem pudesse cair sobre eles, modificando suas vidas.

6. Aconteceu por causa da multidão, que os vários contramestres e chefes da oficina pediram ao Mestre que largasse s ferramentas e seguisse o seu caminho, pois havia tanta gente em volta dele que nem ele nem os outros mecânicos conseguiam trabalhar nos automóveis.

7. E assim foi que ele seguiu para os campos, e os que iam com ele começaram a chama-lo de Messias, o que operava milagres, e, como eles acreditavam, assim era.

8. Se sobreviesse uma tempestade, enquanto ele falava, nem uma gota tocava a cabeça de seus ouvintes, o último da multidão ouvia suas palavras tão claramente quanto o primeiro, mesmo que houvesse raios ou trovões no céu. E sempre lhes falava em parábolas.

9. E lhes disse: “Dentro de nós está o poder de nosso consentimento para a saúde e a doença, a riqueza e a pobreza, a liberdade e a escravidão. Somos nós que controlamos isso, e não os outros.”

10. Um moleiro disse: ‘Essas palavras são fáceis em tua boca, Mestre, pois és guiado como não somos nós, e não precisas trabalhar como trabalhamos. O homem tem de trabalhar para ganhar a vida neste mundo.’

11. O Mestre respondeu: “Uma vez havia uma aldeia de criaturas no fundo do leito de um grande rio cristalino.

12. “A corrente do rio passava silenciosamente por cima de todos eles, jovens e velhos, ricos e pobres, bons e maus, a corrente seguindo seu caminho, só conhecendo o seu próprio ser cristalino.

13. “Cada criatura, a seu modo, se agarrava fortemente ás plantas e pedras do leito do rio, pois agarrar-se era o seu modo de vida, e resistir à corrente era o que cada um tinha aprendido desde que nascera.

14. “Mas uma das criaturas disse, por fim: ‘Estou farto de me agarrar. Embora não possa ver com meus próprios olhos, espero que a corrente saiba onde está indo. Vou soltar-me e deixar que ela me leve para onde quiser. Se me agarrar, morrerei de tédio.’

15. “As outras criaturas riram-se e disseram: ‘Louco! Se você se soltar, essa corrente que você adora o lançará despedaçado sobre as pedras e sua morte será mais rápida do que a causada pelo tédio!’

16. Mas aquele não lhes deu ouvidos e, respirando fundo, soltou-se, e imediatamente foi lançado e despedaçado pela corrente sobre as pedras!

17. “Mas com o tempo, como ele se recusasse a tornar a se agarrar, a corrente o levantou, livrando-o do fundo, e ele não se machucou nem se magoou mais.

18. “E as criaturas mais abaixo no rio, para quem ele era um estranho, exclamaram; ‘Vejam, um milagre! Uma criatura como nós, e no entanto voa! Vejam, é o Messias que chegou para nos salvar!’

19. “E aquele que foi carregado pela corrente disse: ‘Não sou mais Messias do que vocês. O rio tem prazer em nos erguer à liberdade, se ousamos nos soltar. O nosso verdadeiro trabalho e essa viagem, essa aventura.’

20. “No entanto, cada vez exclamavam mais ‘Salvador!’, enquanto se agarravam às pedras; quando tornaram a olhar, ele se fora, e eles ficaram sozinhos, inventando lendas sobre um Salvador.”

21. E quando viu que a multidão cada vez o seguia mais de perto, mais terrível do que nunca, quando viu que insistiam para que ele os curasse sem descanso, e sempre os alimentasse com seus milagres, e aprendesse por eles e vivesse suas vidas, foi sozinho para o topo de um morro e rezou.

22. E disse em seu íntimo, Ser Infinito Radioso, se for a tua vontade, deixa que essa taça passe de minhas mãos, deixa-me pôr de lado esta tarefa impossível. Não posso viver a vida de uma outra alma, no entanto dez mil me imploram a vida. Sinto ter permitido que tudo isso acontecesse. Se for a tua vontade, deixa-me voltar aos motores e às ferramentas e viver como os outros homens.

23. E uma voz lhe falou no topo do morro, uma voz que não era de homem nem de mulher, nem forte nem fraca, uma voz infinitamente bondosa, que lhe disse:
Não a minha vontade, mas a tua seja feita. Pois o que for a tua vontade será a minha vontade para ti. Segue o teu caminho como os outros homens e sê feliz na Terra.”

24. E ao ouvir aquilo o Mestre alegrou-se, deu graças e desceu de cima do morro cantarolando uma cançãozinha de mecânico. E quando a turba o atormentava com seus males, implorando que os currasse, aprendesse por eles, os alimentasse constantemente com sua compreensão e os divertisse sempre com suas maravilhas, ele sorriu para a multidão e disse amavelmente: “Eu desisto.”

25. Por um momento a multidão ficou muda de espanto.

26. E ele lhes falou: ‘Se um homem dissesse a Deus que o que queria mais que tudo era auxiliar o mundo sofredor, fosse qual fosse o preço para si, e Deus lhe respondesse o que devia fazer, o homem deveria fazer o que lhe era ordenado?”

27. “Pois claro, Mestre!” exclamaram. “Devia ser para ele um prazer sofrer as torturas do próprio inferno se Deus lhe pedisse!”

28. “Não importa quais fossem essas torturas, nem a dificuldade da tarefa?”

29. “Seria uma honra ser enforcado, uma glória ser pregado a uma árvore e queimado, se fosse isso que Deus pedisse,” disseram eles.

30. “E o que fariam vocês”, perguntando o Mestre à multidão, “se Deus lhes falasse diretamente, em pessoa, e dissesse: ‘ORDENO QUE SEJAS FELIZ NO MUNDO, ENQUANTO VIVERES.’ O que fariam então?”

31. E a multidão calou-se e nem uma voz ou som foi ouvido sobre morros e pelos vales.

32. E o Mestre disse: “No caminho de nossa felicidade encontramos o conhecimento para o qual escolhemos esta vida. É assim que aprendi hoje e prefiro deixá-los agora para seguirem o seu caminho, como desejarem.”

33. E seguiu o seu caminho no meio da multidão e voltou ao mundo dos homens e dos motores.” Richard Bach

Repetindo a parte que mais gosto: “Não a minha vontade, mas a tua seja feita. Pois o que for a tua vontade será a minha vontade para ti.”

Bora assumir o que de fato desejamos, e caprichar nas escolhas que levem a realização da sua felicidade. 

domingo, 16 de abril de 2017

Rede de Apoio e Proteção

Érima de Andrade

Desculpe se você entrou neste post esperando saber mais sobre a rede/tela que é usada em janelas altas, ou piscinas, para prevenir acidentes. Não é sobre isso o post de hoje.

Vamos conversar sobre a rede social, afetiva e amorosa que temos, e alimentamos, ao longo da nossa vida.
Uma rede de proteção que acolhe, inclusive naqueles momentos que você parece estar só.

Amigos, mesmo os que a vida no momento só permite contato virtual, formam a sua rede de proteção.
A tecnologia só vem confirmar o que os sábios dizem há séculos: as distâncias não existem. Longe é um lugar que não existe. Para estar perto, basta querer.

E claro, não estou colocando essa rede invisível no mesmo nível de vibração que o toque, o abraço, o olho no olho.
São importantes, mas se sentir parte de uma rede é essencial.

Se você de repente, do nada, sentiu uma sensação boa, pode apostar, foi um pensamento positivo enviado para você da sua rede de proteção. Ou uma oração, ou uma prece. Pode ter começado até por uma música, que despertou uma lembrança, que produziu uma vibração boa e você recebeu.

A física quântica explica isso. Mas não lembro mais a explicação, porque para mim, não faz diferença saber tecnicamente. “É sobre saber que em algum lugar alguém zela por ti”, canta Ana Vilela. É isso!

Sua rede de proteção é aquela que você liga através dos sentidos, das sensações, emoções, vibrações, pensamentos, sentimentos. Tudo isso é energia. Você transmite e recebe.

Um perfume pode ligar sua rede, o som do ar num espaço amplo pode ligar sua rede, um momento de cor especial do céu pode ligar sua rede. E aqui falo de mim. O céu no fim de tarde, no pôr do sol, em cores entre rosa e laranja, me liga a um sentimento especial, desde a minha infância.

Minha avó nunca me deixou esquecer uma conversa que tivemos quando eu tinha entre 4 e 5 anos. Ela me viu parada perto da janela olhando o céu. Ficou observando um pouco, estranhou tanta concentração. Vale explicar que, na época, meu avô me chamava de mosquito elétrico, então eu estar parada, concentrada, olhando o céu, era diferente do habitual. Me perguntou o que eu tanto olhava? Expliquei: “Está vendo aquela nuvem rosa ali, vovó? Era lá que eu morava. Quando ela chegou perto daquele morro, eu desci, vim andando e fui morar com meus pais.” (sic)

E até hoje, é nesse momento de conexão com o céu rosa, que faço minhas preces mais silenciosas, e mais profundas. Na minha rede de proteção tem o céu.

Meu pai está internado. A vezes nas visitas ele está dormindo, outras vezes não, mas repito sempre o mesmo ritual. Rezo com ele o Santo Anjo. Mas antes explico que vamos rezar para que ele não esqueça nunca, que o seu Anjo da Guarda está sempre ali:

"Santo Anjo do Senhor,
Meu zeloso guardador,
Se a ti me confiou a piedade divina,
Sempre me zele, me guarde,
Me governe e me ilumine.
Amém." 


Não foi uma ideia minha, sigo o que a mãe dele fazia para ele dormir tranquilo. O Anjo da Guarda com certeza faz parte da rede do meu pai.

Tenho uma paciente que criou um ritual para quando o marido precisa passar uma ou duas noites fora de casa: ela borrifa o perfume dele no lençol, no lado que ele dorme na cama. E, invariavelmente, acorda e se pega deitada daquele lado. Sempre me explica que nunca “invadiu” o lado com ele em casa, mas quando ele não está, é lá que ela acorda. E não, já respondeu ao marido, não quer trocar de lado na cama.

Conversamos a respeito e ficou claro que se sentia perto dele mesmo ele não estando, e isso lhe dava tranquilidade. No caso dela, a rede de proteção é ativada por memórias olfativas. É dessa rede de proteção que todos temos, que estou falando hoje.

Quem já frequentou uma reunião de estudos budistas, já ouviu falar de sanga. Se você pesquisar vai saber que sanga é aproximadamente como uma associação, assembleia ou comunidade com um objetivo comum. Mas na prática, sanga é mais que isso, é uma palavra usada por eles, não sei de que idioma, que significa que você pertence aquele grupo. E essa sensação de fazer parte, continua mesmo que você não frequente mais os encontros e reuniões.

Rede de proteção é isso, fazer parte de uma sanga. Não conheço palavra em português com esse significado. A mesma dificuldade que estrangeiros têm de explicar saudades, já que compreendem o significado, mas não tem no vocabulário deles. No meu, só sanga explica esse sentimento de rede de proteção.

E saiba, você tem uma sanga mesmo que você não seja budista. Você pertence a um grupo de amores, amigos, afetos, família, que se cultivado, lhe dão a sensação de pertencimento, e graças a isso, você se sente protegido e amparado mesmo que esteja sozinho.

O que é importante lembrar, é que se você não quiser, não acontece. Você tem que alimentar essa energia, essa fonte de boas vibrações. E se escolher alimentá-la, abra-se para colheita do que plantar. Sim, porque a vibração que vem para você, é a mesma que você mandar.

É sempre uma escolha a plantação. Só vai nascer o que você plantar e cultivar. Não tem milagre, magia, feitiço, física quântica que faça o pé de jaca que você plantou, virar uma roseira. Quer rosa, plante rosas. Quer vibrações positivas, cultive-as em você primeiro. Uma vez que suas vibrações transbordem, seus queridos vão receber. E você também vai começar a sentir quando as deles transbordarem.

Escolha seus pensamentos e cuide de vibrar na frequência do que você deseja experimentar. A vida está acontecendo exatamente nesse momento, e esse momento é o momento perfeito para você alimentar a sua rede de boas vibrações.

Bárbara Petri sempre me inspira. Talvez essas reflexões dela lhe ajude a alimentar hoje sua rede de proteção e amor.

“Que energia eu quero convidar para fazer parte da minha vida hoje?
​Que intenções, crenças e ideias eu irei descartar e quais eu irei nutrir? O que pode e pede para ser deixado para trás e o que eu quero que floresça?" Bárbara Petri

"E da mesma forma que as primeiras respostas fluíram do meu Ser, eu percebo que agora também elas chegam até mim de forma clara: eu quero nutrir o amor infinito que Sou, eu quero permitir que a consciência preencha cada aspecto da minha experiência, e eu descarto toda crença que tenta me dizer que há algo em mim que não seja plena luz.” Bárbara Petri 




Que você sempre se sinta pertencendo, conectado e amparado.