segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Dia dos Pais

Feliz dia!

Hoje celebrem seus pais onde eles estiverem.
Se por perto, esteja juntos.
Se desencarnados, estejam juntos.
É o amor que nos une.
Por abraços ou pensamentos, da maneira que for possível, estejam juntos.
Te amo para sempre Pai!
Meu amor segue com você!

Érima de Andrade



domingo, 13 de agosto de 2017

Mudanças

Érima de Andrade

Freud sentenciou:“Quando a dor de não estar vivendo for maior que o medo da mudança, a pessoa muda”.

É verdade, a dor é motivadora, mas o amor também é. Mesmo assim, talvez
por associar mudança sempre com dor, a maioria das pessoas tem medo de mudar. De mudar a vida, ou de mudar qualquer coisa na vida.

Mudar é bom, mas “tem que” mudar? Por que? Se tudo está fluindo bem, se você está feliz com sua vida, por que “tem que” mudar?

Ter não tem. Mas
as mudanças ajudam na sua qualidade de vida. Qualquer mudança que você faça contribui para a sua saúde cerebral. E com o cérebro em ordem, todas as demais funções do organismo são favorecidas.

O cérebro não pensa para fazer movimentos repetitivos.
Se por um lado isso é desejável, por outro, o excesso de rotina, limita o cérebro, que vai entrando num processo de desuso, perdendo flexibilidade, atrapalhando a capacidade de assimilar conhecimentos.

Paula Abreu, na sua página virtual, pergunta:"Você alguma vez já sentiu que todos os seus esforços, todos os dias, são para construir uma vida que, lá no fundo, uma vozinha diz para você que não é o que você quer?" É dessa mudança que estou falando.

Uma mudança para quebrar suas barreiras, amarras e limitações. Mudar para ir ao encontro do que não conhece.  Mudar para ver e idealizar novas possibilidades na sua vida. 

Mesmo que tudo pareça impossível no momento,
mude alguma coisa. Saia da sua zona de conforto. Abra mão do que já não lhe cabe, dê um salto de qualidade na sua vida.

Eu sei, mudar dá trabalho. Até você acostumar com a mudança, você fica bem atrapalhado. 
Mas como experimentar o novo senão houver mudanças?

A mudança ideal é aquela decidida por você. Não existe um caminho mais fácil para a frustração do que fazer uma promessa de mudança que você não está plenamente disposto a cumprir, apenas por que “tem que” ser feito para agradar aos outros, a sociedade, ao companheiro, aos colegas de trabalho. 

Mude, mas faça por você, para se estimular, para se desafiar a novos aprendizados.
Uma vez que você decida mudar, você pode fazer isso.

Mas vá devagar. 
Busque novos caminhos reconhecendo seus limites, capacidades e apoios. Vá um passo de cada vez atrás das suas energias transformadoras, mas sempre com atitudes harmônicas e sadias. Nada de fazer coisas que vão lhe magoar ou dar medo. Ponderação é o caminho, pois você não vai mudar de uma hora para outra. É um processo.

Se não dá para mudar tudo de uma vez, também não dá para ficar parado.
Então escolha sua mudança e priorize por onde começar. Que tal colocar uma meta por semana? O que você pode fazer para criar resultados favoráveis para você nesta semana?

Entre todos os seus objetivos de mudança, qual você decide que será seu pontapé inicial? Qual hábito novo renovaria as suas energias para seguir com os seus objetivos de mudança? Seja lá o que for, comece.
Você merece ser mais feliz.

O Edson Marques tem um texto com
várias propostas de mudanças possíveis para todo mundo. Eu gosto tanto do texto, que já o coloquei várias vezes aqui no blog. Espero que lhe inspira a mudar.

"Mude.
Mas comece devagar, porque a direção é mais importante que a velocidade.
Sente-se em outra cadeira, no outro lado da mesa.
Mais tarde, mude de mesa.
Quando sair, procure andar pelo outro lado da rua.
Depois, mude de caminho, ande por outras ruas, calmamente, observando com atenção os lugares por onde você passa.
Tome outros ônibus.
Mude por uns tempos o estilo das roupas.
Dê os teus sapatos velhos.
Procure andar descalço alguns dias.
Tire uma tarde inteira para passear livremente na praia,ou no parque, e ouvir o canto dos passarinhos.
Veja o mundo de outras perspectivas.
Abra e feche as gavetas e portas com a mão esquerda.
Durma no outro lado da cama.
Depois, procure dormir em outras camas.
Assista a outros programas de TV, compre outros jornais, leia outros livros, viva outros romances!
Não faça do hábito um estilo de vida.
Ame a novidade.
Durma mais tarde.
Durma mais cedo.
Aprenda uma palavra nova por dia numa outra língua.
Corrija a postura.
Coma um pouco menos, escolha comidas diferentes, novos temperos, novas cores, novas delícias.
Tente o novo todo dia.
O novo lado, o novo método, o novo sabor,o novo jeito, o novo prazer, o novo amor.
A nova Vida.
Tente.
Busque novos amigos.
Tente novos amores.
Faça novas relações.
Almoce em outros locais, vá a outros restaurantes, tome outro tipo de bebida, compre pão em outra padaria.
Almoce mais cedo, jante mais tarde, ou vice-versa.
Escolha outro mercado, outra marca de sabonete, outro creme dental.
Tome banho em novos horários.
Use canetas de outras cores.
Vá passear em outros lugares.
Ame muito, cada vez mais, de modos diferentes.
Troque de bolsa, de carteira, de malas.
Troque de carro.
Compre novos óculos, escreva outras poesias.
Jogue os velhos relógios, quebre delicadamente esses horrorosos despertadores.
Abra conta em outro banco.
Vá a outros cinemas, outros cabeleireiros, outros teatros, visite novos museus.
Mude.
Lembre-se de que a Vida é uma só.
Arrume um outro emprego, uma nova ocupação, um trabalho mais light, mais prazeroso,
mais digno, mais humano.
Se você não encontrar razões para ser livre, invente-as.
Seja criativo.
E aproveite para fazer uma viagem despretensiosa, longa, se possível sem destino.
Experimente coisas novas.
Troque novamente.
Mude.
De novo.
Experimente outra vez.
Você certamente conhecerá coisas melhores e coisas piores, mas não é isso o que importa.
O mais importante é a mudança, o movimento, o dinamismo, a energia.
Só o que está morto não muda!"
Edson Marques

domingo, 6 de agosto de 2017

Coisinhas da Vida

Érima de Andrade

Esse ano tenho desejado aos aniversariantes que eles tenham um ano cheio de coisinhas felizes, porque acredito, mesmo, que
a felicidade está nas pequenas coisas. Esse texto da querida Teresa Bessil, que está no livro dela Bordados do Coração, nos lembra como as coisinhas boas nos fazem bem! Boa leitura!

“Rir quando acordamos, porque acordar não é coisa garantida na hora de ir dormir. Andar devagar pela rua, somente para ver como é andar devagar pela rua em meio ao mar de gente atarefada demais para andar devagar pela rua. Abrir a janela para arejar a casa e ficar um longo tempo olhando o céu, daquele jeito que o olho se perde de tão profundo o azul sem nuvens, e ficamos ali, olhando nada, quase vendo tudo.

Acordar no meio da noite e ficar ouvindo os pequenos barulhinhos que só se mostram quando a cidade dormiu. Ouvir uma música nova e ficar sem saber se gosta ou não. Olhar para o amado que dorme acompanhando sua respiração e ficar comovida com a curva de sua boca, mesmo depois de décadas dormindo ao seu lado. Entrar em uma livraria só para sentir o cheiro dos livros enfileirados nas prateleiras, joias que apenas deixamos que repousem por ali, já que não temos tanta pressa de coisa alguma e ainda temos uma pilha de novidades em palavras que nos esperam em casa. Andar de mãos dadas na beira da estrada, vendo aquela flor pequena que nunca antes havia. Inventar nomes para as flores. Veja que linda essa Julietinha. Meu Deus, quantas Gertrudes nessa estrada. Aplaudir cada enfeite de Natal que penduramos na árvore.

Rir muito de qualquer coisa, só porque é bom rir muito de qualquer coisa. Ficar calado um tempão enquanto andamos juntos pela calçada. Procurar a lua no céu. Achar que a borboleta que cruzou por ali vinha trazendo um recado e se colocar a pensar nos anjos até virar nuvem pequena ou algo assim. Ver um filme muitas vezes, antecipando o gozo de cada cena que nos faz rir ou chorar. Fazer aviãozinho de papel. Parar o que se está fazendo somente porque o sol entrou de um jeito pela casa que deixou tudo dourado – parede, cadeira e sonho. E ficar olhando aquele dourado até sumir, coisa que logo se dá.

Fechar o olho e lembrar de um cheiro. Ficar em silêncio depois que lemos algo que nos move. Fazer tudo mais devagar de vez em quando, principalmente beijo. Beijar na testa com um jeito de ressaltar a alegria da amizade. Beijar bem de leve nos lábios, só pra deixar o corpo tremer antes que tudo aconteça. Sair escrevendo o que nos vem à cabeça e de repente parar, só porque nos lembramos das pessoas queridas que nos leem. Ler um poema muitas vezes como se fosse a primeira vez, não porque não temos memória, mas porque celebramos o ineditismo do viver.

Pois era isso que eu ia lhes dizendo. Tem quem considere viver uma baita perda de tempo. Justo porque viver habita esse monte de coisas efetivamente sem qualquer função. Coisas, situações, sonhos, momentos. Pequenas e grandiosas coisas nas quais a vida simplesmente nos habita de um jeito meio maroto. Quase simples." Teresa Bessil

 (Bordados do Coração - "Perda de tempo", pág 29)

Que você tenha muitos momentos contentes todos os dias.