domingo, 18 de junho de 2017

São planos ou expectativas?

Érima de Andrade

Sim, porque são diferentes.
Quando você traça um plano, você lista as providências, medidas e etapas que tem que percorrer para atingir um objetivo. 

É ótimo fazer planos, eles dão a direção para que seu objetivo seja alcançado. E tanto faz o objetivo que você escolheu, estudar, se conhecer, iniciar uma atividade, mudar o estilo de vida. Tendo claro onde quer chegar, e as etapas necessárias para que isso aconteça, mesmo que ocorram obstáculos, você chegará lá.

Expectativa é mais que um estado de quem espera por algo ou alguém. Embora possa ser usada nesse sentido também. Mas a expectativa que eu me refiro, tem uma tensão, uma ansiedade. É um desejo intenso por alguma coisa, uma espera baseada em probabilidades, pressupostos ou promessas de que algo aconteça. E aí, você deixa de ser o dono da ação, fica na expectativa.

E nesse ponto a história se complica. Você tem um sonho, claro que vai criar uma expectativa de vê-lo realizado. É ótimo quando você consegue ver como quer estar daqui a cinco anos e usa essa expectativa como entusiasmo para se planejar e correr atrás do seu objetivo.

Criar expectativa é muito bom quando a expectativa tem formato de fé, de acreditar em si mesmo, de esperança, de correr atrás do que deseja com amor e paciência, de entrar em sintonia com a vibração daquilo que você quer alcançar.

Acreditar em si mesmo, sintonizar com sua melhor parte para ultrapassar cada etapa com amor, respeito e paciência, pois a realização do seu objetivo pode não ser no tempo do seu desejo, esse é um bom caminho.

Um mau caminho é esperar que tudo aconteça exatamente como você planejou. É criar uma expectativa em forma de ansiedade, de querer que as coisas aconteçam do seu jeito e não aceitar de qualquer outra forma. De querer a perfeição e nada menos do que isso. Hum... problemas à vista se sua expectativa é essa.

Ninguém é perfeito. Todos temos insucessos, fracassos e fases de mediocridade. É um traço comum da nossa humanidade, somos imperfeitos.

A fórmula para o sucesso passa necessariamente pela aceitação da vida e do que ela traz a cada momento. Quanto mais brigamos com a realidade, menor é nossa capacidade de alterá-la.

Você será sempre o ponto de partida dos seus planos, por isso o autoconhecimento é tão importante. Para traçar planos possíveis de serem realizados, você precisa saber quem você é, quais as suas habilidades, quais suas limitações, o que você sente e pensa diante das situações fora da sua zona de conforto, porque elas vão acontecer.

Querer que as coisas aconteçam exatamente do seu jeito não é planejamento, é controle. Significa que você não reconhece que existe um momento certo para tudo, e que isto está além da sua possibilidade de determinação e controle.

E é essa tentativa de controle que torna a expectativa uma ansiedade tensa, um gasto energético sem tamanho, um sofrimento desnecessário.

Com determinação, de coração aberto, com bondade, respeito e a dignidade que lhe for possível, você estará pronto para abraçar com positividade as oportunidades que a vida oferece. Estará pronto para alcançar seus objetivos.

É importante deixar claro que você pode ser cuidadoso sem a tensão da preocupação e do medo. Sem dúvida, um pouco de preocupação, além de relevante, é saudável para todas as pessoas. Aliás, todos os sentimentos na dose certa e no momento oportuno são bons. O problema acontece quando exageramos e perdemos completamente o equilíbrio, e com ele a capacidade de tomar decisões pertinentes.

Sonhar é bom, mas é preciso ancorar a consciência no presente. É preciso contemplar o que a vida nos traz e como estamos respondendo a ela. Feridas do passado, ou antecipação do futuro, não são boas conselheiras para tomadas de decisão no agora.

Lembre-se, nada é positivo ou negativo por si mesmo, nem a expectativa. O que você faz com o que lhe acontece é que torna algo positivo ou negativo.

“Eu prefiro acreditar, ter fé, sonhar, imaginar e correr atrás daquilo que eu quero com a expectativa de que vou realizar do que viver me protegendo da possibilidade de ficar frustrada e nunca buscar nada, nem sonhar. Eu prefiro me jogar no presente e ao mesmo tempo me permitir o prazer de sonhar e acreditar no amanhã do que reprimir os meus desejos e vontades por medo de uma possível decepção. De uma forma ou de outra estamos imaginando o futuro, sem a menor certeza do que virá. Já que é pra imaginar o futuro, que seja de forma gostosa, positiva e do jeito que a gente quer!Stephanie Gomes

domingo, 11 de junho de 2017

Tempo externo, tempo interno, tempo pessoal

Érima de Andrade

Tempo é o assunto da semana. De fato,
cada um tem um tempo de digerir acontecimentos, emoções, mudanças. E está tudo bem. É o tempo que você precisa e ele é pessoal, ponto.

Estou chamando de tempo pessoal o tempo necessário para cair a ficha, para entender o que está acontecendo, para reconhecer seus sentimentos, para que as informações ouvidas façam sentido, para que você possa digerir tudo o que está vivendo.
Seu tempo pessoal. Mesmo que muitos vivam situações similares, cada pessoa terá seu próprio tempo de processamento do seu momento de vida, terá seu próprio tempo pessoal.

O tempo pode ser objetivo e subjetivo. Nós, humanos, observamos os ciclos da natureza, amanhecer e anoitecer, as estações, as gestações, o desenvolvimento, o envelhecimento, e
criamos maneiras de mensurar essa passagem de tempo, de medir esses movimentos da vida.

Chamamos essa mensuração de tempo objetivo, ou tempo externo, aquele que pode ser marcado e medido. É o tempo do mundo, da natureza, das árvores, dos compromissos, relógios e calendários.
É um tempo público e verificável. Pode ser medido e todos concordarão com essa medição.

O tempo subjetivo, ou interno, é o
tempo de amadurecimento, tempo necessário para compreender, assimilar, aprender, se organizar, e as vezes, se conformar. É tempo das experiências mentais, dos eventos da consciência, e envolve percepções, imaginação, recordações.

Tempo subjetivo é o tempo interno, privado e variável.
É o tempo que você estima para um determinado evento ou intervalo. É algo baseado na sua interpretação individual, e pode não ser válido para todos.

O tempo objetivo nos permite situar um evento, marcar um horário para uma consulta, agendar um encontro,
atuar no mundo externo. Mas é no tempo subjetivo que vamos vivenciar e conhecer a relação entre esses acontecimentos e o que se passa em nosso mundo interior.

Os nossos sentidos, e a nossa tradição cultural, introjetaram a
noção de tempo como um fluxo continuo seguindo em uma única direção, do passado ao futuro, do antes ao depois. Mas internamente não é assim que funciona. Não é linear e exato como o de um relógio.

O tempo interno tem sequências. Os eventos seguem ou antecedem um ao outro, mas
não é possível cronometra-los. Não tem como medir o tempo interno pelo tempo do mundo.

É bem comum que o tempo que passa no relógio não seja o mesmo que passa dentro da você. E também é comum não seguir um calendário ao recordar eventos marcantes e significativos.
Memórias e sentimentos são subjetivos, nosso tempo interno também é.

O tempo objetivo é o tempo do relógio, onde 1 hora será sempre 60 minutos e 1 minuto é sempre 60 segundos. Mas no tempo interno, que é seu, individual e intransferível, seus sentimentos marcam um tempo totalmente subjetivo. Cada minuto pode não ser mais de 60 segundos, pode parecer 10 segundos ou 10 horas, depende do que você estiver vivendo.

De modo geral, sentimos que o tempo acelera em situações prazerosas, e quase para em situações desagradáveis. E dependendo do que você viveu, na sua memória os fatos podem estar totalmente fora da ordem cronológica.

Seu tempo pessoal é mais que o tempo interno ou subjetivo. É o tempo de construção da sua identidade, um tempo para ressoar dentro tudo o que viveu. É o tempo de 
construção da pessoa que você se tornou com tudo que aprendeu, ou com tudo que a sua alma relembrou. O tempo pessoal a gente cria, e num espaço de tempo tão curto quanto um segundo, você pode escolher mudar tudo.

Você pode estar consciente dos tempos interno e externo ao mesmo tempo. Mas o importante é você saber que, além do tempo do relógio, você precisa de um tempo pessoal para se reorganizar após experiências e aprendizados. Pode ser que, nesse momento, para você, o relógio ande rápido, e seus sentimentos, pensamentos e comportamentos precisem de mais tempo para se manifestar.

Respeite essa percepção de estar vivendo em dois tempos diferentes. Respeite seus ritmos interno e de vida. Respeite seu tempo e o tempo de cada um.

Mudanças, por escolha, ou por imposição da vida, exigem tempo para pôr ordem no corpo e nas emoções, para reaprender a viver e conviver nessa nova realidade.
Não existe um padrão comum de comportamento após uma mudança. Cada um tem seu tempo de desconstruir o antes para construir o agora. O tempo desse processo é pessoal, individual e relativo.

Para você pode ser rápido, mesmo que para os de fora, pareça que demorou. É o seu tempo, o tempo necessário para que você acomode dentro as histórias vividas antes, durante e depois de cada virada que a vida dá. Respeite-se e respeite. O tempo pessoal é isso mesmo, pessoal e único. É pessoal e interno, mas nem por isso você precisa estar sozinho.

Se você precisar expressar emoções e sentimentos provocados por mudanças, e não sabe como, busque ajuda. Amigos podem lhe ouvir, e um profissional pode ajudar a mudar a perspectiva dos fatos, permitindo uma ressignificação do ocorrido, abrindo espaço para a compreensão, aceitação e, quem sabe, para a confiança, o perdão e a gratidão pelo aprendizado.

Ressignificar pode curar um pouco mais o que ainda lhe dói, pode ajudar a aceitar a vida e o que ela traz a cada momento, pode abrir um espaço em você para que o seu melhor se manifeste.

Ressignificar não muda o que aconteceu. Muda sua maneira de lidar com o que aconteceu. No seu tempo, no seu ritmo, dentro da sua possibilidade. 

                                                                                                                                                                                                             

domingo, 4 de junho de 2017

Troque intolerância por respeito.

Érima de Andrade

Esse é o caminho de bem conviver
, respeito pelo outro. Pelo que o outro é, pelo que o outro acredita, pelo que o outro escolhe.

Respeito é a atitude de aceitar as diferenças entre as pessoas.
Com respeito é possível conviver sem conflitos com todos os seus contatos, mesmo aqueles que não foram uma escolha sua.

Respeito é a melhor maneira de demonstrar que você aceita o direito do outro de ser quem escolheu ser, aceita a sua individualidade, aceita sua totalidade como a pessoa que é, e não como você gostaria que ela fosse.

Respeito significa aceitar o outro mesmo quando não concorda com suas escolhas, decisões, opiniões ou comportamentos. E se for o caso, você sempre pode, respeitosamente, expressar sua opinião, mostrando o seu ponto de vista diferente.

Em qualquer fase da sua vida, você pode escolher se educar para respeitar diferenças. Repito, você pode se educar para ter respeito em qualquer fase que esteja na vida.

Se não sabe como, comece considerando que a sua maneira de ser é apenas uma possibilidade entre muitas outras. Porque é só isso, uma entre muitas possibilidades.

É muito difícil respeitar quando você supõe que a sua postura é a única possível, quando tem certeza absoluta que sua verdade é única, 
quando você quer ter razão a qualquer custo.

Então faça esse exercício, se pergunte: o outro está mesmo errado ou apenas é diferente da minha maneira de ser, agir, pensar, sentir? Ao se abrir para a descoberta de outras maneiras de estar no mundo, você contribui para aumentar o respeito num momento que ele tem nos feito tanta falta.

Para essa postagem separei 3 títulos de matérias jornalísticas que me assustaram e acenderam em mim um alerta do tipo "precisamos falar disso". Muito!

E como, ainda bem, já tem bastante gente falando a respeito, separei junto um cordel maravilhoso do Bráulio Bessa que ajuda a pensar sobre intolerância.


Estudo mostra raio-x da intolerância nas redes sociais do Brasil
- Expressões como cabelo ruim, gordo, vagabundo, retardado mental, boiola, malcomida, golpista, velho e nega predominam nas palavras encontradas

Boicote a “Mulher-Maravilha” – Líbano bane exibição de “Mulher-Maravilha” em função da protagonista Gal Gadot, que é israelense. 

Intolerância contra professores - Saiba por que educadores sofrem censura de pais e alunos.

Bráulio Bessa faz cordel sobre intolerância – Programa Encontro com Fátima Bernardes




"Será mesmo que o respeito
anda mesmo em desuso?
Pra mim soa tão confuso
Essa tal necessidade 
de alguém que é diferente
enfrentar um mar de gente
lutando por igualdade.

E talvez essa igualdade
Essa tal pluralidade
seja a mais pura vontade
de viver a liberdade.

De ser só o que se é.
De ser homem, ser mulher. 
de ser quem você quiser. 
de ser alguém de verdade.

Seja transparente! 
Seja simplesmente gente.
Mesmo que alguém lhe julgue diferente!
Mesmo que você mesmo se julgue diferente!
Eu reforço: Seja gente! Urgente! 

Há quem nasceu pra julgar.
Há quem nasceu pra amar.
e é tão simples entender em qual lado a gente está.

E o lado certo é amar.
Amar para respeitar!
Amar para tolerar!
Amar pra compreender
que ninguém tem o dever
de ser igual a você.

O amor é a própria cura
remédio pra qualquer mal
cura o amado e quem ama
o diferente e o igual
talvez seja essa a verdade:
É pela anormalidade
que todo amor é normal.

A minha simples poesia
tem o poder de alertar:
Se você quiser respeito
aprenda a respeitar
Seja mais inteligente
pois pra alguém diferente
o diferente é você 
ninguém no mundo é igual
normal é ser anormal
Não é difícil entender.

Entender que nós estamos
percorrendo a mesma estrada
pretos, brancos, coloridos 
em uma só caminhada 
não carece divisão 
por raça, religião 
nem por sotaque, Oxente.
seja homem ou mulher
você só é o que é
por também ser diferente.

Seja menos preconceito! 
Seja mais amor no peito!
Seja amor, seja muito amor
E se mesmo assim for difícil ser
não precisa ser perfeito
se não der pra ser amor
seja pelo menos RESPEITO!" Bráulio Bessa

Respeito, use sem moderação.