domingo, 27 de março de 2016

Intoxicação Emocional

Érima de Andrade

Li num livro do Ramatis que um dos motivos da asma é a intoxicação emocional. É interessante esse raciocínio, pois é bem próximo do que diz a medicina tradicional chinesa.

Para a medicina chinesa a asma, e a bronquite alérgica, são patologias complexas que envolvem outros órgãos além dos pulmões. A asma, segundo eles, também envolve baço, fígado e rins.

Os pulmões, eles nos explicam, são lesados pela tristeza, pessimismo, lamentação, nostalgia, dificuldade em romper com laços que no presente não se fazem mais necessários, ou positivos. O baço é prejudicado pela preocupação, ansiedade, pensamentos fixos e cíclicos. O fígado sofre com os sentimentos de raiva, frustração e timidez. Os rins são afetados pelo medo, insegurança e indecisão. Junta tudo e eis que surge um quadro de intoxicação emocional.

Mas como acontece a intoxicação emocional? Basicamente a intoxicação emocional ocorre como consequência de não nos darmos um tempo diariamente para cuidar do nosso interior.

E quais as consequências? A falta de precisão na interpretação do que nos acontece, por estarmos sob a influência das nossas emoções e inseguranças. Estar emocionalmente intoxicado impede de pensar antes de falar e de ter uma perspectiva clara sobre o que lhe acontece, lhe torna muito propenso a dizer ou fazer coisas das quais pode se arrepender.

Pensar que o ser humano pode ser saudável sem lidar constantemente com suas emoções é um erro com consequências desastrosas em todas as áreas da vida. Provocando ou não uma crise de asma, olhar as nossas reações emocionais será sempre um caminho seguro para obter valiosas informações sobre a nossa própria história.

É fácil para muitas pessoas reconhecer os sinais da intoxicação física. Mas, como interpretar os sinais que indicam que estamos nos intoxicando emocionalmente? Os sintomas e queixas de quem está intoxicado emocionalmente são os mesmos das pessoas que estão enfrentando problemas emocionais relacionados à ansiedade, depressão e estresse. Se você está passando, ou passou, por momentos de grande carga emocional, é provável que esteja intoxicado.

As pessoas que estão passando por um momento de intoxicação emocional, têm discursos como:

“Sinto-me vulnerável, me irrito com facilidade e, de vez em quando, sinto vontade de sair correndo e deixar tudo para trás.”

“Deixo de me interessar e começo a ser indiferente em um milésimo de segundo, ou seja, assim como me agrada muito realizar um projeto, o mesmo me aborrece minutos depois.”

“Vivo em uma montanha russa constante. O riso e o choro me acompanham e me desestabilizam nos momentos mais inesperados.”


“Preciso de muito esforço para separar minhas preocupações atuais e passadas.”

“A insegurança domina minha vida.”


“Ajo, com frequência, de forma inconsciente e não consigo expor, com clareza, meus pensamentos e minhas emoções, o que me causa muitos problemas.”

“Frequentemente reajo de forma desproporcional.”


“Não me sinto bem com nada nem ninguém, é como se me sufocassem.”

“Sinto uma profunda necessidade de ter alguém que pegue na minha mão e me guie.” 


Você se identifica, ou conhece alguém que se identifique, com essas frases? Se sim, é provável que você esteja sob a influência da intoxicação emocional e ainda não tenha percebido.


As causas são diversas, mas em qualquer caso, repito, a intoxicação emocional é a consequência de não dedicarmos um tempo para cuidar de nosso interior e analisar, e aceitar, as nossas emoções. O primeiro desafio é identificar o que está acontecendo. Muitos estudiosos listaram comportamentos característicos da intoxicação emocional, e essa lista pode lhe servir como guia. Vamos a ela:

Estar sempre na defensiva - Na verdade está agindo em “modo autoproteção”, se protegendo do que pode lhe causar danos. Suas emoções bloqueiam e limitam a sua capacidade de entendimento e de pensar com clareza, com isso você distorce as palavras e interpreta de maneira errada as ações das pessoas, interpreta ações e palavras como agressões. Se sente vulnerável, com autoestima baixa e reage com agressividade para se proteger de algo perigoso, que certamente só existe na sua imaginação.

As mudanças serão conquistadas com novas atitudes, novas formas de relacionar-se com os outros, e consigo mesmo. 

Ser excessivamente crítico - Extremamente crítico com os outros e consigo mesmo, se impondo uma barreira de intransigência. Possivelmente quer ter controle sobre tudo e impedir que qualquer coisa interfira na sua vida. Não concede nenhuma margem de interferência.

Se você se identifica com esse comportamento, procure relaxar e tente ser mais benevolente com você mesmo, com os outros e com a vida.

Ter as percepções alteradas – Pois olha o mundo só com as lentes das emoções, sem ligar para as razões. Não se escuta e nem escuta os demais. O nervosismo, a impaciência e as reações emocionais descontroladas tem sua origem aqui.

É preciso parar para pensar sobre como está entendendo as coisas que lhe acontecem. Intoxicado pode parecer que tudo não passa de uma perda de tempo, nada mais longe da realidade. Não se livrar desses conflitos é pode causar muitos problemas.

Condenar, insultar ou desprezar os demais - As pessoas intoxicadas emocionalmente podem se tornar agressivas e perigosas, pelo fato de estarem sempre na defensiva e lutar com unhas e dentes por uma causa em que acreditam.

Por causa do bloqueio emocional, eles têm dificuldade de ter empatia, não são capazes de avaliar de forma sensata as pessoas a sua volta. Podem se culpar e condenar a si mesmos, projetando seus medos e frustrações nos outros como uma forma de fuga e libertação.

É preciso se conhecer para sair dessa armadilha.

Ter as inseguranças afloradas - E elas controlam sua vida. Fica mais reativo e se coloca na defensiva com frequência. Sua autoestima está completamente debilitada e você se sente vulnerável diante de qualquer acontecimento. Você acredita que não pode fazer nada por si mesmo. É provável que se sinta sem forças e que seja incapaz de entender com clareza como se sente, como é, e até mesmo o que é capaz de fazer.

Isto fomenta o desenvolvimento da dependência emocional, a ponto de acreditar que necessita de alguém ao seu lado para lhe proteger, suprir suas carências, e controlar sua vida todos os dias. 

Obviamente, este aspecto precisa ser trabalhado com o objetivo de regenerar a sua autoestima e sua identidade emocional. 

Ter a preguiça mental regendo sua vida e sua capacidade de esforço - É provável que você sinta que não escuta o que os outros dizem e que não só sua atenção, mas também a sua memória, são excessivamente seletivas.

Isso se agrava de acordo com suas frustrações e problemas.
Não é que você não queira fazer algo de forma adequada. É que fazer alguma coisa representa um tremendo esforço mental para ter diferentes perspectivas sobre qualquer questão. Não é que você não tenha a energia necessária para enfrentar os desafios cotidianos, é que você não sente que tem forças para fazê-lo.

Os exercícios neuróbicos podem ajudar muito nesse momento.

Se sentir apagado - Sentir-se apagado significa não ter forças e não ser capaz de se sobrepor por conta própria.

Quando nossa vitalidade é apagada, optamos por fechar as cortinas e nos protegermos de nossos próprios sentimentos, renunciando a uma parte importante do nosso ser. Sentimos que é preciso fazer um grande esforço mental e físico para tomar decisões e estar atento a tudo. Não temos forças para enfrentar o resto dos nossos problemas.

Exercícios físicos, alimentação saudável, hidratação adequada, sono de qualidade recuperam a sua vitalidade e restauram a luz que você sentiu apagar.

O bloqueio emocional impedindo de avançar - Não somos capazes de filtrar, mentalmente, nossas reações emocionais e sentimentos, nem de ter uma perspectiva sobre o que nos acontece. Dar passe livre para as nossas reações emocionais sem submetê-las a um filtro mental limita a nossa capacidade de comunicação e de avanço. O quadro piora diante de uma discussão, pois começamos a distorcer as palavras que escutamos e a tirar conclusões que desenvolvem frustrações e problemas.

Esta é a consequência de ter o cérebro inundado pelas nossas emoções; não conseguimos pensar com clareza e ficamos travados. E assim nos colocamos em situações nas quais respondemos de forma inadequada ou, simplesmente, não sabemos responder.

Identificar seus comportamentos e emoções é o primeiro passo e demonstrará que você já iniciou o processo de recuperação e de limpeza emocional.

Fechar-se emocionalmente - Muitas vezes, nos damos conta de que estamos muito frágeis e emotivos, então nos fechamos no nosso mundo para nos protegermos dos nossos próprios sentimentos.

É por isso que, quando uma pessoa se sente oprimida e sobrecarregada, não tem energia para enfrentar os desafios do dia a dia, ela se fecha para o mundo.

É preciso trabalhar os sentimentos para reagir assertivamente e tomar sua vida de volta.

Não dizer adeus por conta da vertigem emocional - Você não se sente capacitado para seguir com a sua vida se abandonar hábitos ou pessoas que permanecem a seu lado, mas, ainda assim, sabe que algo em relação a eles não vai bem, sabe que aquilo está gerando sofrimento.

Você sente que, se desviar, provocará um sacrifício que desequilibrará por completo a sua existência. Quer acreditar que, ainda que sua arquitetura emocional esteja prestes a desmoronar, existem pilares básicos que você pode sustentar...

Obviamente está equivocada, e esta percepção é fruto do esgotamento e do bloqueio causado pela intoxicação emocional.

Se normalmente deixar ir já é difícil, quando nossas emoções nos invadem, começamos a sentir medo de um vazio emocional muito maior. Medo de enfrentar o vazio gerado pela perda, medo do luto e da nossa fraqueza.

É hora de desenvolvermos a resiliência, a capacidade de renascer depois de uma adversidade. 
Pessoas resilientes, tornam-se fortes após situações difíceis porque desenvolvem confiança, aprendendo novas formas de lidar com os acontecimentos.

Permitir a auto sabotagem - Temer o sucesso tem a ver com a nossa incapacidade de tolerar as incertezas. Não confiamos na nossa capacidade de aceitar a vida como ela se apresenta. Emocionalmente intoxicado fica mais difícil ainda avançar sem boicotar o progresso em busca dos nossos objetivos.

A única maneira de superar esse desejo de suicídio pessoal é nos tornarmos conscientes de que existe algo dentro de nós que alimenta o medo de atingirmos nossos objetivos. 

Consciência é o primeiro passo. Acabar com os medos exige ainda a intenção e a ação efetiva para mudar o que não vai bem na nossa vida.

Só há uma pessoa neste mundo que vai impedir seu progresso, e essa pessoa é você mesmo. A vida de uma pessoa intoxicada por suas emoções é muito difícil, por isso trabalhe para acabar com os seus medos.

É preciso dar um tempo para que você possa se desintoxicar. Portanto paciência, persistência e prática da auto-observação serão necessárias. Mas vale muito a pena.

Que você cuide de não se intoxicar.

2 comentários:

  1. A medicina tradicional chinesa está na ponta da língua!! Gostei!! É sempre uma busca da desintoxicação emocional!! Bjs Naja

    ResponderExcluir
  2. Eles são observadores fantásticos, né Naja? Há quanto tempo nos mostraram a importância do equilíbrio emocional. Beijos

    ResponderExcluir

Vou ficar feliz com seu comentário. É muito bem vindo!