domingo, 4 de março de 2018

Receita Médica: Amor-Próprio

Érima de Andrade

Uma amiga foi fazer seu checape anual. Foi num clínico geral que também é endocrinologista. Anamnese, exames, conversa, e ele pega o receituário para anotar as orientações a serem seguidas em casa para o sucesso do tratamento.

Começou como todo mundo que preenche receituário, colocando o nome da paciente, minha amiga, no alto da página.
E receitou: “Amor–Próprio”. 

Só de ter escrito isso já merecia meus aplausos, mas foi além e continuou:

“1 – Aprender a não se cobrar tanto.

2 – Aprender a dizer não sem culpa.

3 – Aprender a não ter muitas expectativas de pessoas e situações." 


E completou a receita com uma seta que liga amor-próprio no alto da página, a “super prioridade” que escreveu no fim da página. Virei fã instantaneamente. Que boas orientações!

O amor é muito curativo, e alimentar o amor-próprio é responsabilidade pessoal de cada ser humano. E esses conselhos do médico ajudam muito mesmo.

Nós nascemos amando e querendo ser amados. Mas, com passar do tempo, o amor é eclipsado por crenças e choques adquiridos, e sentimos mais necessidade de receber amor do que de amar. Com isso nos desconectamos da nossa essência, e nos conectamos as máscaras, a um falso eu criado por conta da carência. Mas tem saída, é o autoconhecimento que lhe reconecta com seu melhor, e alimenta seu amor-próprio.

Sim, pode ser que você não tenha recebido o amor que gostaria, mas se está vivo e lendo esse texto, você recebeu amor de qualidade em algum momento da vida, você sabe o que é o amor. E é esse amor de qualidade que deve ser resgatado e alimentado. Cabe a você manter, expandir, aumentar o amor que vive em você. E os três conselhos do médico ajudam muito nessa tarefa.

1 - “Aprender a não se cobrar tanto.” - Você, ser humano, vivendo no planeta Terra, é imperfeito. Ponto. Nasceu aqui para evoluir, se tornar melhor. E, devo lhe informar, que se tornar melhor é muito diferente de se tornar perfeito.

Faça o seu melhor em cada momento, respeitando seus limites, habilidades e capacidades. É a consciência de ter feito o melhor em cada situação que o fará deixar de se culpar por não ser perfeito, e por consequência, deixar de se cobrar tanto.

Fazer o seu melhor não é o mesmo que estagnar no que você é capaz de fazer hoje, mas reconhecer que você fez o melhor com o que você tinha em cada momento. A medida que você aprende, se aprimora, treina ser melhor, fica melhor ainda.

E para não cair na armadilha de sofrer por um passado que você não pode mudar, torne a reconhecer que fez o melhor que você podia na época dos fatos que alimentam suas cobranças.

2 - “Aprender a dizer não sem culpa.” - 
Dizer não é dar limites. É reconhecer os seus limites e respeitá-los. As pessoas que convivem com você vão gostar de ter essa clareza, vão gostar de saber que quando você disser sim, você sabe que vai dar conta, que poderão confiar.

Quando você diz sim apenas para não se sentir culpado, para não se sentir “maltratando” o outro com sua recusa, você corre o risco dizer sim para algo que você simplesmente não consegue lidar. Você não ajuda o outro, se sente culpado por ter falhado, e não se ajuda.

Dizer sim para tudo é uma tentativa de comprar amor, e não o seu amor em ação como talvez você goste de pensar. Ao dizer sim para tudo, você inconscientemente está perguntando: “agora que eu concordei, você vai me amar?”

Se você precisa agradar os outros porque acredita que somente assim será amado, você condena seus próprios desejos, e passa a negá-los. Você deixa de saber o que quer, o que gosta, o que lhe faz bem realmente.

Se conhecer é fundamental, é o  autoconhecimento que possibilita o acesso à realidade de quem somos. 
Se você está nesse jogo de comprar amor, é porque não se sente amado. E se não se sente amado, está faltando amor-próprio em você. 

E é importante lhe informar que se lhe falta amor-próprio, não vai ter amor de fora suficiente para preencher esse seu vazio. Só o seu amor lhe preenche de fato. Só se conhecendo, se amando, você conseguirá dizer não sem sofrimento, e dizer sim com sinceridade e alegria.

3 – “Aprender a não ter muitas expectativas de pessoas e situações.”-
 Criar expectativas aqui, equivale a fantasiar situações e pessoas. É como ir ao encontro de alguém fantasiando poderes mágicos e perfeições que ele não tem.

É bem ruim sempre. Primeiro, óbvio, você se frustra ao perceber que não era nada daquilo. Segundo você se fecha para a versão real que se apresenta, e perde a oportunidade de conhecer alguém que não é como você imaginava, mas que é bem legal sendo quem é.

Fantasiar situações também é ruim pelos mesmos motivos, você se frustra, e perde a oportunidade de viver uma experiência bacana, por ter se fechado para a realidade que se apresentou.

E a realidade pode ser num evento que lhe decepcione, por ver que o bolo oferecido não é o de três andares que você imaginou, decorado, confeitado, cheio de luzes e brilhos. E frustrado por não encontrar o bolo ultra mega produzido, se fecha, recusa a experimentar, e perde a oportunidade de saborear o melhor bolo de laranja do mundo, o mais pedido, o mais premiado.

Que pena, suas expectativas lhe deixaram de fora dessa e de outras experiências. É assim que acontece em todas as situações que você cria expectativas irreais e impossíveis de serem concretizadas, você fica fora das experiências reais.

O caminho é se abrir para conhecer pessoas e situações sem preconceitos, sem fantasias, sem expectativas. É alimentar seu amor-próprio com o autoconhecimento para deixar de procurar fora o que você tem dentro e ainda não reconhece.

Como diz Prem Baba “e se é o autoconhecimento que possibilita a autorrealização, o amor, abençoados sejam os momentos que nos dedicamos as práticas de nos conhecer um pouco melhor, abençoados sejam os seus esforços.”

“Super Prioridade” - Com certeza amor-próprio é uma super prioridade! Se amar é o caminho para sua saúde e felicidade. E depende só de você.

Bora se conhecer e ser mais feliz?


4 comentários:

  1. Boa tarde. Belas palavras Erima e parabéns ao médico da nossa amiga.

    ResponderExcluir
  2. O que dizer... Um texto tão bem escrito, palavras que precisamos ouvir e ler e tentar colocar em prática tão maravilhosa receita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Léozinha! Bora colocar em pratica! Um beijo

      Excluir

Vou ficar feliz com seu comentário. É muito bem vindo!